quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Olhos nus, carmim

Onde vês o espiritual
Sou laica
Onde vês o uno
Sou dicotômica
Onde vês o passional
Observo consumação
Onde vês a interação
Enxergo recusa
Onde vês ódio
Percebo excitação
Onde vês o latente
Descortino o manifesto.
Veem os olhos antagônicos
A maneira que se vê,
É atração Shekespeariana
Dos olhos cinza e belos
Contra os meus olhos
Nus, carmim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva o seu comentário aqui.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.