sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Desejas-me

Desejas-me como quem deseja colher camélias em vasos de varanda
Como quem sonha em surfar na mais alta das ondas
Ou escalar a mais íngreme montanha.

Desejas-me como quem deseja chegar por teletransporte
Como quem conta com a sorte
Ou desconsidera a morte.

Desejas-me pela ilusão do querer
Pela fantasia do ego
Ou imanência e transcendência de poder.

Desejas-me sem as camélias
Cingido pela epopeia
Transmutado pelo épico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva o seu comentário aqui.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.