quarta-feira, 13 de junho de 2018


Tenho uma conhecida chamada Zelda
sempre pensei
é uma palavra que azeda a boca
Zelda é lá nome de gente?
menos mau seria  Griselda
que me desculpem os semitas
Zelda não me transmite felicidade.

domingo, 3 de junho de 2018


Prefiro ter um QI médio e estar numa sociedade de intelectuais a ser notória, com o mesmo QI, numa sociedade  de ignorantes.

sexta-feira, 1 de junho de 2018


Profecia


Há uma garoa no outono que umedece
Velha e frágil folha que o pomar conserva.
Já distanciada a lembrança
Da dança ao afável vento da primavera.

Um inseto chamado esperança
Sem escrúpulo, pousa e abraça a folha úmida
A folha sem força cai no limo
Junto a ela, morre a esperança.

É ingrato um abraço tardio
É mau agouro
Esperança morta.

sexta-feira, 13 de abril de 2018


Visitou um corpo
como quem mergulha num mar revolto

Sobe até o espelho d'água, inspira e desce
com a sensação de afogamento

Permanece por algum tempo
no  recursivo procedimento

Sentindo-se satisfeito, já esgotado
abandona o corpo nu.

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Descaminho


Quando decidi estar com você
Aprendi além daquilo que imaginei um dia aprender
Aprendi o que é a mentira, o que é o errado
o olhar e o sorriso, falsos
e que não existe intervalo entre o amor e o ódio
entre o bem e o mal
Aprendi  quando devo ceder para obter
Aprendi que sou capaz de aprender
o que é a mentira , o que é o errado, o que é o ódio e o que é o mal
autoflagelo  para suportar o inóspito
Aprendi  com a retórica do sofista
Aprendi que um desatinado pode me ensinar
contudo, aprendi a perder o juízo para surpreender
aprendi tantas banalidades
tresloucada, olho-me ao espelho e o reflexo é você.

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Recidiva

Foge de mim aquela luz que gostaria de continuar a ver
Perco já algumas lembranças, aquelas que jamais imaginei perder
Algumas dores cessaram, sem que me esforçasse para isso
Outras dores aparecem silenciosamente e incomodam
Nada vem do corpo, surgem da animosidade
É o homem em fúria destronado pelo episódio dos seus atos
É o bem perdendo para o mal
Nos pés dos poucos afortunados, a pele do animal
em contraponto, os muitos descalçados
É a impureza da memória do arbítrio à glória
Pautado no desagrado, remanescente da história.