terça-feira, 31 de março de 2015

A flor do poeta

O néctar, a sua alma mais profunda
O pólen que germina em palavras
inspiradas nas tenras folhas esvoaçantes
os mistérios, dos perfumes das pétalas

As cores, o amálgama da beleza,
solidão misturada em fantasias
O caule que a brisa  dobra
são sentidos que a poesia abriga

No outono, a flor do poeta
canta folhas secas, nostalgia
A sedução não é mérito da primavera
é o ocluso na bela flor da poesia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva o seu comentário aqui.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.